ITAJU DO COLONIA

ITAJU DO COLONIA
VREADORA AUGUSTA

PALMIRA

PALMIRA
POINTER DO AÇAI

Itaju do Colônia

Itaju do Colônia
Rádio jornal de Itabuna

Itabuna

Itabuna
Rádio Nacional de Itabuna

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Larangeiras

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Laranjeira

quarta-feira, 25 de março de 2020

Autoridades baianas reagem com perplexidade ao pronunciamento de Bolsonaro

O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em cadeia nacional de rádio e televisão nesta terça-feira (24) causou revolta entre parlamentares e políticos baianos. O tom radical e irônico em relação à pandemia motivou até mesmo a gestão de "interdição" do chefe do Executivo (veja aqui). 

Presidente nacional do DEM e aliado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o prefeito de Salvador, ACM Neto, afirmou ser "lamentável" o posicionamento do gestor diante de todo "o esforço que estamos fazendo para tentar proteger a população e o presidente da República ter esse tipo de postura". Em seu discurso, Bolsonaro minimizou os efeitos da Covid-19 e desqualificou as medidas de isolamento social, apontadas por especialista como a melhor maneira de evitar a proliferação do vírus.

Sem citar diretamente o presidente da República, o governador Rui Costa (PT) contestou o termo "gripezinha" utilizado no discurso oficial em referência a Covid-19. "Não é gripezinha. Vou continuar trabalhando em defesa da vida. Olhar nos olhos das pessoas e dizer: estamos numa guerra. ACORDA. Temos que vencê-la. Chega de discurso vazio e delírios. Vamos trabalhar mais e mais. Responsabilidade. Todos contra o coronavírus", disse.

No Instagram Rui reforçou: "Reafirmo o compromisso com o povo do meu Estado de não baixar a guarda; de continuar lutando firmemente com todas as minhas forças contra o coronavírus. Vou cuidar sim da vida das pessoas. É momento da Bahia unida independentemente das suas preferências políticas, das suas crenças, dos credos. Estamos vivendo uma grave crise. Estamos lutando para superá-la. Aqui, registro a minha solidariedade a todos os estados do Nordeste. A todo o Brasil. É uma guerra. Que Deus nos dê equilíbrio e força. Vamos vencer. Todos contra o coronavírus". 

Outra reação firme foi a do senador Otto Alencar (PSD), que chegou, em vídeo nas redes sociais a sugerir "aquece Mourão [vice-presidente Hamilton Mourão], prepara o Mourão para governar o Brasil porque o presidente tem mostrado total incapacidade". 

"Assistimos com perplexidade o pronunciamento do presidente da República. Hoje ele passou todos os limites quando no pronunciamento ele quer expor as pessoas que confiam ainda nele a acreditar que o coronavírus não vai transmitir uma doença que vai ceifar vidas. O presidente precisa ser interditado ou ser analisado, porque ele tem agido exatamente como alguém sem responsabilidade com o povo brasileiro, ou pelo Congresso Nacional ou pelos conselheiros principais, até pelo seu vice-presidente, o general Mourão, que tem responsabilidade e é um homem equilibrado. Quem sabe não se pode já pensar em mandar aquece o Mourão, prepara o Mourão para governar o Brasil porque o presidente tem mostrado total incapacidade", disse Alencar.  


Reação semelhante foi manifesta pela deputada federal Lídice da Mata (PSB): "Pronunciamento desastroso do presidente da República. Irresponsável, não se preocupa com as pessoas e só pensa em salvar o seu lastimável governo em meio ao enfrentamento da maior pandemia do século".

Também demonstrou contrariedade a  ex-aliada e correligionária de Bolsonaro, deputada federal Dayane Pimentel (PSL). "O pronunciamento do Presidente hoje foi totalmente infeliz. Reabrir escolas e o comércio foram as sugestões dele, indo na contramão do próprio Ministro de Saúde e do mundo. Depois não adianta reclamar dos panelaços", escreveu no Twitter.
 


Entre os deputados estaduais a reação ao discurso radicalizado não foi diferente. A deputada estadual Olivia Santana (PCdoB), disparou: "Basta Bolsonaro! O presidente da República tem que respeitar o povo brasileiro". Já Alex Lima (PSB), falou em tristeza e alertou o presidente da gravidade da situação. "Muito triste de ouvir o líder da nossa nação, ser tão infeliz no seu pronunciamento. A situação é grave, presidente", disse.

Por: Wender Lima.
Da redação do blog Tribuna de Palmira.

0 comentários:

Postar um comentário