Itaju do Colônia

Itaju do Colônia
Rádio jornal de Itabuna

Itabuna

Itabuna
Rádio Nacional de Itabuna

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Larangeiras

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Laranjeira

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Pescados da Bahia absorveram óleo das praias, mas estão livres de contaminação

Ostras, caranguejos, siris e peixes da Bahia absorveram frações tóxicas das manchas de óleo que atingiram a costa baiana neste ano. O nível da contaminação, no entanto, está abaixo do nível de referência de risco estabelecido pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (Usepa), considerado internacionalmente como um limite aceitável para a presença das substâncias no corpo dos pescados.

O estudo foi realizado pelo Laboratório de Estudos do Petróleo (Lepetro) da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e analisado por técnicos da Bahia Pesca. Foram 23 amostras de pescados coletados em 4 pontos de amostragem do Litoral Norte e 3 pontos de amostragens em Salvador e Região Metropolitana (RMS) para testar a qualidade e o nível de absorção do óleo. 

O resultado apontou a existência de pelo menos 1 dos 16 Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPAs), fração tóxica do petróleo, em 100% das amostras. No entanto, todos os compostos se encontram abaixo dos níveis de referência estabelecidos pela Usepa.

O óleo encontrado nas praias é lipofílico, por essa razão é que se dissolve em gorduras, óleos vegetais e lipídios em geral, sendo absorvido por meio dos tecidos biológicos dos organismos marinhos. De acordo com a Usepa, os 16 compostos de HPAs são tóxicos, poluentes e possuem características cancerígenas. 

HPAs de 2 e 3 anéis, considerados “leves”, foram encontrados em algumas amostras. Os compostos de 4 e 6 anéis considerados “pesados”  foram detectados entre 60% e 65% das amostras. Todos os compostos referidos se encontram abaixo dos níveis de referência estabelecidos pela Usepa. O índice é reconhecido internacionalmente e representa que não há risco de contaminação dos animais. 

Secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), Lucas Costa, comentou os resultados. "O que podemos falar é que estamos abaixo dos níveis de referência de contaminação. Não existe a contaminação do nosso pescado", falou. 

A secretaria agora vai encaminhar o resultado do estudo para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que emitirá parecer sobre o consumo dos pescados baianos. 
Por: Wender lima.
Tribuna de Palmira.

0 comentários:

Postar um comentário