quinta-feira, 7 de março de 2019

Paz reinou entre os dois grupos políticos da Bahia durante o Carnaval

O clima de paz e amor entre os dois principais líderes políticos da Bahia reinou no Carnaval de 2019. O prefeito de Salvador, ACM Neto, e o governador Rui Costa mantiveram o prenúncio de harmonia durante todos os dias de festa e mesmo entre os integrantes do primeiro escalão não houve tensão. No máximo, um tom mais ácido envolvendo o polêmico cantor e deputado federal Igor Kannário. Aliado de Neto, o parlamentar foi para o circuito estampando na roupa “Comando da Paz”, nome de uma facção criminosa, e foi alvo de críticas de integrantes da Secretaria de Segurança Pública.

Sem as tensões eleitorais, tudo ficou mais ameno. E os holofotes, que tradicionalmente são divididos entre o prefeito e o governador, acabaram ficando mais restritos a ACM Neto. Não que ele tenha concentrado todas as atenções, mesmo porque o protagonismo do Carnaval é naturalmente do chefe do Palácio Thomé de Souza. O que deixou o prefeito atraindo ainda mais as atenções foi algo bem alheio à folia. Rui Costa foi ao enterro do neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no sábado (2) e depois se dedicou à família.

No único momento em que ambos estiveram juntos, na abertura, o governador fez uma visita de cortesia ao Camarote da Prefeitura no Campo Grande onde entregou as chaves da cidade ao Rei Momo junto com o prefeito. A última vez que aconteceu algo similar foi em 2016, longe das possibilidades de ambos se enfrentarem nas urnas em 2018.

Apesar da amabilidade, não houve necessariamente um acordo de cavalheiros entre os dois. Durante o Carnaval, o prefeito ressaltou que não vê problema em ter um relacionamento republicano com o governador e garantiu que vai manter o tom nos últimos dois anos de gestão. ACM Neto, inclusive, manteve o respeito ao pedido de Rui para não divulgar detalhes da reunião entre ambos, realizada em janeiro. Apenas o tema mobilidade foi confirmado e nos próximos dias virá a público a nova tarifa integrante de ônibus e metrô – algo que poderia gerar tensões.

A falta do camarote oficial do governo também provocou uma redução de figuras ligadas ao PT circulando no circuito mais tradicional da festa. Foi uma consequência direta da opção por economizar e, por essa razão, o noticiário ficou ocupado por pessoas mais próximas a administração de Salvador. Ainda assim, não foram incensadas questões políticas da Bahia com frequência. O único ponto fora da curva foi a fala de Bruno Reis sobre as eleições de 2022, antecipando bastante a corrida eleitoral de sucessão de Rui Costa e colocando ACM Neto como favorito. Sobre a disputa de 2020, o vice-prefeito, interessando no processo, foi mais evasivo, mas colocou o atual gestor de Salvador como grande eleitor.

Anos ímpares são bem fracos para a política no Carnaval e isso não é novidade. Em 2019, apesar do calor intenso em Salvador, as mobilizações em torno dos dois grupos políticos ficaram gélidas. E olha que, mesmo fora em muitos dias da folia, Rui não ficou completamente apagado. Já ACM Neto foi um protagonista bem discreto.

0 comentários:

Postar um comentário