ITAJU DO COLONIA

ITAJU DO COLONIA
VREADORA AUGUSTA

PALMIRA

PALMIRA
POINTER DO AÇAI

Itaju do Colônia

Itaju do Colônia
Rádio jornal de Itabuna

Itabuna

Itabuna
Rádio Nacional de Itabuna

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Larangeiras

Floresta Azul

Floresta Azul
Vereadora Daniela Laranjeira

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Milícia e militância separam família Bolsonaro do início do fel em plena lua-de-mel

Tradicionalmente, a lua-de-mel de um governo com os eleitores dura mais do que muitos casamentos. Porém o caso do presidente Jair Bolsonaro parece estar num processo de desgaste que pode acelerar a chegada de uma fase de fel. Ainda assim, o atual ocupante do Palácio do Planalto é favorecido por uma onda de pseudo otimismo que permite que eventuais “derrapadas” consigam ser justificadas por desculpas esfarrapadas.

O caso mais delicado envolve o filho do presidente, o senador eleito Flávio Bolsonaro. Como se não fossem suficientes os indícios de problemas na movimentação financeira envolvendo o ex-assessor Fabrício Queiroz, a prisão de milicianos nesta terça-feira (22) colocou o filho mais velho do morador da Alvorada no olho de um furacão de uma complexa rede de relacionamentos controversos entre políticos e um estado paralelo no Rio de Janeiro. Mãe e esposa de um dos líderes do Escritório do Crime foram lotadas no gabinete dele, a pedido de Queiroz, segundo justificativa pública. Até o momento, Flávio segue se defendendo, transferindo a responsabilidade para o ex-assessor e, por enquanto, o governo federal consegue se manter ligeiramente incólume – até por estratégia de sobrevivência.

Sim, inicialmente não há qualquer relação entre os “mal feitos” de Flávio com o pai. Porém a lógica é a mesma da associação entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o filho dele, Fábio Luís, mais conhecido como Lulinha. A diferença é que existe a tal régua flexível para medir os diferentes lados (lembre aqui).

Por mais que existam suspeitas de irregularidades envolvendo o primeiro filho, ainda aparecem fãs que preferem crer na teoria da conspiração de que Flávio é alvo de uma ação orquestrada entre Coaf, Ministério Público e imprensa, do que em qualquer outro argumento. No entanto, o doce começa a ser paulatinamente substituído pelo amargo de um discurso diferente da prática cotidiana. E não há nada de novo nisso.

Saindo do foco de Flávio, Bolsonaro pai estreou em Davos no Fórum Econômico Mundial como um protagonista a ser relegado ao papel de coadjuvante. O discurso de menos de 10 minutos em um dos principais painéis do encontro foi frustrante na avaliação da maioria dos analistas, já que a objetividade da fala conseguiu esconder a falta de profundidade em temas econômicos, principal foco do fórum de Davos. Ainda assim, o presidente conseguiu angariar elogios do pior tipo de cego, aquele que não quer ver.

Para completar a construção da narrativa de que Bolsonaro é maior – e melhor – do que qualquer crítica feita a ele, duas questões chamam a atenção. Mesmo que tenham circulado rumores de que o presidente não falaria com a imprensa, o titular do Planalto teve breves conversas – sem polêmicas – com jornalistas. A segunda foi a “escapada” de Bolsonaro para almoçar em um “bandejão” de um supermercado ao invés da pompa imaginada para encontros envolvendo chefes de Estado. É o desenho de um “presidente do povo”, “gente como a gente”.

Por enquanto, o presidente da República tem conseguido ter certo controle sobre a forma como a população– ou ao menos os eleitores dele – reage a ele. Foi assim com a “lacração” ao rebater uma provocação de um jovem que desejou que o avião dele caísse, por exemplo. Agora, quer Bolsonaro queira ou até mesmo os fãs deles desejem, quer não, há um clima de desconfiança que pode antecipar o fim dos bons ventos prometidos pelo novo governo.

0 comentários:

Postar um comentário